Grupo Cidade
DFB: conheça o backstage da produção


Thiago Nascimento (Foto: Divulgação)

Quem vê close, não vê corre é a melhor legenda para quem produziu a 22ª edição Dragão Fashion Brasil Festival (DFB), maior evento de moda autoral da América Latina. Os quatro dias de evento não esconderam o cansaço e a paixão de quem participou do time que fez tudo acontecer. 

“Costumo dizer que o Dragão é como escola de samba: a gente passa o ano inteiro trabalhando pra 4 dias. Quando termina o evento já tô embarcando no pós e depois do pós a gente já tá no projeto do ano seguinte”, relata Thiago Nascimento, diretor da agência de publicidade Tanq e diretor e produtor de salas de desfile no DFB. Ele ocupa essas funções desde 2012.

Essa edição foi a maior de todas. Ela veio com uma área de 30.000m2. “Foi a maior ocupação do Dragão desde a primeira edição. Ocupou o aterro inteiro”, contou.

Depois de duas edições digitais, sendo a última edição presencial realizada em 2019, a ansiedade do público de voltar ao presencial e ter o desfile podia ser sentida em todo o evento. 

“A gente teve um público ansioso pra sair de casa. O fato de estarmos no aterro, no coração do Meireles, no coração do distrito criativo de Fortaleza, ajudou a propagação do evento de forma mais forte e mais rápida”, disse Thiago.

O festival vai além da moda. É também gastronomia, cultura e arte. Para definir melhor, Thiago parafraseou Cláudio Silveira, idealizador do evento: “Só quem produz evento da magnitude do Dragão sabe a dor e delícia que é fazer parte daquilo ali”.

O evento uniu diversos segmentos, diversas áreas econômicas no nosso Estado e alguns parceiros como: Senai, Senac, Sebrae e equipes de mídia do País inteiro.

“Foi muito desafiador fazer o DFB nesse cenário de incertezas após a pandemia do coronavírus, que dificultou tudo para quem trabalha com evento. Estávamos tentando mapear os cenários, mas conseguimos”, ressaltou ele.

Há três meses, não havia certeza alguma sobre a realização do evento presencial. Contudo, quando o cenário dava mais clareza sobre as ações a serem tomadas, o ritmo de produção não deu mais espaço para descanso. 

Só a montagem rendeu um trabalho de 20 dias antes do evento. Também pudera… Quem conhece o Aterro da Praia de Iracema sabe que tudo foi criado sobre o chão de areia. Não tinha nada. Exceto uma visão do que poderia ser. Eles viram além do evento: marcas, desfiles, emoção, pessoas, sonhos, realizações, lançamentos, produtos etc.

Colocaram paredes, pisos, ar condicionados e energia. Depois deram vida a cada detalhe para que todos fossem acolhidos no festival. 

O evento foi completamente sustentável e acessível. Todo o lixo produzido era reciclado para ser transformado em crédito e ajudar entidades carentes. 

Até a data dessa entrevista, não haviam todos os dados do pós-evento, mas a experiência do Thiago na realização dessa edição calcula um feedback positivo. 

PROTAGONISMO - Analisar o evento ainda sem os dados oficiais faz com que minha atenção seja focada nas histórias relatadas. O estilista Vitor Cunha, por exemplo, foi um voluntário do DFB em 2016, desfilou em 2018, 2019 e hoje continua a fazer parte do evento. “Ele é um menino que saiu agora da faculdade com um talento extraordinário. Tem matérias saindo sobre ele nacionalmente. Esse é um recall de marca muito grande”, orgulha-se.

O dragão dá muita visibilidade a todos os envolvidos. Estima-se que o fluxo de pessoas no evento tenha chegado a 40 mil nos quatro dias. Os desfiles foram assistidos por cerca de 27 mil (números não oficiais).

Entre os atrativos para esse sucesso de público foram o evento paralelo Ceará Fashion Trade, Feira Internacional de Negócios da Moda; o Projeto 100% CE, que leva capacitação a polos produtivos do interior do Estado, facilitando o acesso a cursos, workshops e encontros; e, a AUÊ Feira Criativa, com sua valorização da economia criativa local.

PATROCÍNIO - O patrocinador oficial do evento é Governo do Estado do Ceará, que fomenta o trade da moda e apresenta o DFB. A Enel também é patrocinadora e acredita no evento, no formato e na proposta.

O GigaMall Messejana é um shopping de atacado que esteve junto aos grandes patrocinadores. A marca aproveitou o DFB pra lançar o empreendimento.

Thiago reconhece e agradece a força da imprensa e ressalta ainda o motor humano formado pelo Programa de Voluntariado. “A gente recebeu 120 alunos de 14 instituições em 6 Estados. Eles viram como o evento funciona por dentro”.

Dentre tantas ações positivas, vou ressaltar o que mais me chamou a atenção entre tantos dizeres: a felicidade de Thiago ao contar tudo isso. 

Afinal, evento faz bem para as pessoas, para os negócios, para o turismo, para todo mundo. Que venha DFB 2023! O Thiago já está no corre.

Por Lidú Figueiredo
@lidufigueiredo

COMENTÁRIOS