Grupo Cidade
Marca cearense estreia no DFB Festival com coleção inspirada nas aves de rapina


Foto: Divulgação

A marca cearense Jana Iná estreia na 22ª edição do DFB Festival com a coleção Aves de Rapina, inspirada na beleza exuberante, força e agilidade das rapinantes. As bolsas de crochê feitas à mão vão compor o look do desfile Novos Talentos, elaborado pelos alunos do curso de graduação em Design e Moda da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), e estarão disponíveis para o público no Mercado Criativo de 25 a 28 de maio, no Aterro da Praia de Iracema.
 
A CEO da marca, Janaína Pinheiro, detalha os bastidores da nova coleção: “O algodão e a juta são os protagonistas das peças, compondo texturas que remetem às asas pontiagudas e compridas das aves de rapina”. Itapema (gavião), Carcará (falcão), Caburé (coruja) e Urubutinga (urubu) são as bolsas com nomes inspirados nas famosas rapinantes. Entre os detalhes da produção: os fios assimilam-se às penugens macias, proporcionando um aspecto de maior volume e consistência à trama, o algodão e o barbante utilizados em todas as bolsas são de natureza ecológica.

A marca

A engenheira civil Janaína Pinheiro descobriu, durante a pandemia, que era o momento de investir em uma antiga paixão: o crochê. “As expectativas na minha área não eram tão boas e aproveitei o momento para empreender e realizar um sonho: fazer crochê e criar a minha própria marca”, relembra a artesã.

Em novembro de 2021 nasce a marca Jana Iná – Feito com alma. “A Jana Iná é uma extensão do Sertão cearense para o mundo. É o crochê feito a muitas mãos, pelas crocheteiras de Solonópole, com design moderno, afeto e muita alma”, ressalta Janaína Pinheiro.

O propósito da marca é valorizar o trabalho feito à mão e compartilhar a essência do crochê com as pessoas. “Utilizamos, em nossa essência, a técnica de crochê. Desenvolvemos práticas sustentáveis durante todo o processo criativo das peças, como, por exemplo, a utilização de barbante ecológico e fios de junta, acompanhados de etiquetas e dust bag feitas de algodão cru, para a ajudar na conservação”, explica a empreendedora. Também são artesanais os mimos de papel semente. As alças de madeira banhadas com óleo de linhaça são de muiracatiara (ou aroeira).
 
Nos últimos meses, Janaína Pinheiro aumentou a produção de peças, participou de eventos internacionais e, este ano, faz sua estreia no maior evento de moda autoral da América Latina: o Dragão Fashion Brasil (DFB). “A nossa expectativa é a melhor possível. Queremos levar o artesanato cearense para o mundo. Participar do DFB é um sonho e uma oportunidade de apresentar a marca. As pessoas vão poder sentir as peças a partir do toque físico, e não apenas por imagens, pois as experiências serão reais”, avalia Janaína.

COMENTÁRIOS