Grupo Cidade
Coalizão por mais e melhores negócios de impacto positivo chega a Fortaleza


Ticiana Rolim (Foto: Divulgação)

A Coalizão pelo Impacto, iniciativa nacional por mais e melhores negócios de impacto, chega a Fortaleza e será lançada durante evento a ser realizado na próxima terça-feira (26), das 9 horas às 12 horas, no Salão Aberto da Casa da Indústria da FIEC. A programação terá a apresentação da iniciativa a ser feita por Fernanda Bombardi, gerente executiva do Instituto de Cidadania Empresarial (ICE) e coordenadora da Coalizão; exposições sobre o ecossistema de impacto no Brasil, que serão feitas por Célia Cruz e Beto Scretas, também do ICE; e a participação de empreendedores, empresários e personalidades com atuação no ecossistema dos negócios de impacto no Ceará, com iniciativas já consolidadas e com resultados práticos, como o Banco Palmas e a Catarina Mina.

A proposta da Coalizão pelo Impacto é potencializar o ecossistema de investimentos e negócios de impacto de Fortaleza trabalhando junto com organizações que apoiam empreendedores: incubadoras, aceleradoras, parques tecnológicos, hubs de negócios, instituições de Ensino Superior, entre outros.

A Coalizão pelo Impacto é correalizada pelo Instituto de Cidadania Empresarial (ICE), Instituto Helda Gerdau, Instituto humanize e Somos Um, com a parceria estratégica da Cosan, Fundação FEAC, Fundação Grupo Boticário, Instituto Sabin e Raia Drogasil.

"O campo dos investimentos e negócios de impacto tem crescido de forma significativa nos últimos anos na região Nordeste. Fortaleza é a cidade da região em que a Coalizão pelo Impacto atuará. O estado do Ceará já possui uma política estadual de fomento ao tema, o que favorece o macro ambiente para o ecossistema local se tornar mais estruturado e dinâmico. Por outro lado, vemos a necessidade de crescer o número e a diversidade de organizações nesse ecossistema, de forma a garantir um suporte adequado ao empreendedor que quer empreender com impacto e performance. A Coalizão irá justamente atuar com este propósito, de fortalecer as organizações dinamizadoras deste ecossistema", comenta Fernanda Bombardi, gerente executiva do ICE e coordenadora da Coalizão.

Até 2026, a Coalizão pelo Impacto aportará R$ 29 milhões de reais para potencializar simultaneamente, em parceria com organizações locais, ecossistemas de investimentos e negócios de impacto em cidades das cinco regiões do Brasil. Além de Fortaleza, fazem parte do projeto as cidades de Brasília (DF), Porto Alegre (RS), Belém (PA), Campinas (SP) e Paranaguá (PR). A meta é apoiar até 600 negócios que movimentarão os PIBs locais com produtos e serviços voltados para a solução de problemas socioambientais.

No Ceará, a estratégia da Coalizão pelo Impacto é somar forças a iniciativas com capilaridade como a da Somos Um, organização dinamizadora que apoia empreendimentos de impacto por meio de ciclos de aceleração, cursos, consultorias e que realiza um trabalho de fortalecimento do ambiente empreendedor de impacto. Já foram acelerados pela Somos Um negócios como o Bom Viver Reformas, Giardino Buffet, Faz Carreira, Corre Aqui e Troqueiro.

Dezenas de mulheres já foram também capacitadas por meio da Trilha Florescer, projeto de empoderamento feminino e capacitação empreendedora que busca ajudar mulheres a estruturarem seus negócios.

"É uma alegria imensa para nós estar correalizando a Coalizão pelo Impacto, um projeto de grande relevância no País, fundamental para propagar e fomentar o ecossistema de negócios de impacto, propósito esse que também é o da Somos Um. A Coalizão vem para somar conosco e ampliar o impacto que a Somos Um já faz aqui no Ceará. Essa troca é muito rica, tanto com ICE, que é uma organização que tem essa missão há mais de 10 anos aqui no Brasil, como com os outros parceiros. Isso é o que a gente acredita: unir forças para criar o setor dois e meio, para ampliar as possibilidades dos empreendedores sociais e apoiá-los nesta jornada desafiadora. Com certeza, Fortaleza que vai representar muito bem o Nordeste dentro da Coalizão e, daqui a cinco anos, terá outros indicadores e outro nível de maturidade com relação ao trabalho dos empreendedores de impacto, que ajudarão a resolver problemas sociais e ambientais, e a darmos mais um passo rumo à construção do Museu da Pobreza. Isso para que, futuramente, a gente tenha de ir até ele para conhecê-la. Esse é o nosso sonho", explica Ticiana Rolim Queiroz, presidente da Somos Um, parceira local da Coalizão pelo Impacto.

Para a diretora executiva da Somos Um, Bia Fiuza, a vinda da Coalizão pelo Impacto para o Ceará não apenas é uma demonstração do grau de avanço do tema na realidade local, mas fortalece o ecossistema de negócios de impacto, abrindo espaço para mais pessoas descobrirem como empreender com um foco conectado com as novas economias. "Para podermos multiplicar o número de negócios que nascem com intenção de resolver um problema social ou ambiental, é preciso construirmos toda uma infraestrutura de apoio para estes negócios e para aqueles que fazem parte dele. É preciso formar os empreendedores, ampliar as fontes de capital acessível, gerar dados, desenvolver políticas públicas de fomento, sensibilizar a sociedade para o tema, e capacitar toda uma rede técnica de apoio aos negócios. Sem um ecossistema maduro, é difícil se ter um setor robusto", reforça Bia Fiuza.

Negócios de impacto

Os negócios de impacto são negócios que têm a intenção de resolver um problema social ou ambiental, de forma complementar às políticas públicas e à atuação do terceiro setor. Atuam segundo as leis de mercado, mas buscando gerar impacto positivo na mesma medida que buscam retorno financeiro. Além disso, a solução trabalhada pelo negócio deve estar no centro da sua operação, e o impacto gerado deve ser medido e reportado.

Os empreendedores de negócios de impacto precisam de diferentes tipos de apoio técnico e financeiro até que alcancem um modelo economicamente sustentável e entreguem impactos positivos mensuráveis. Um ecossistema estruturado com organizações dinamizadoras, dados e recursos para apoiá-los aumenta suas chances de sucesso e conexões com investidores e clientes nos setores público e privado.

Fonte: Ad2m Comunicação

COMENTÁRIOS