Grupo Cidade
Seis detalhes que vão acontecer com quem vai iniciar a nadar e poucas (ou nunca) vezes de comenta


Mar na Redonda, uma praia localizada em Icapuí e bastante convidativa para nadar (Foto: Divulgação)

Ao entrarmos numa turma de natação para adultos, nos deparamos com uma série de detalhes que pouco se comenta. Reuni algumas coisas que devem acontecer aos que estão iniciando ou pensando em começar na natação em 2022.

1. Você vai engolir água 

Para surpresa de todo iniciante, a água entra sem muita cerimônia. Engasgar-se com um golão de água chega quase a ser um ritual de "batismo". A água é um ambiente hostil para a respiração humana e para conseguirmos respirar temos que colocar as vias aéreas acima da superfície da água. 

Por ainda estar tentando dominar o seu corpo dentro da água, o mecanismo de respirar pode ser ou realizado de forma exageradamente forte ou num ponto que a água ainda estará em contato com as vias de respiração (boca e nariz), fazendo com que a água entre repentina e rapidamente. 

A forma para evitar que essa surpresa aconteça mais vezes que o normal vem através da repetição de movimentos e posições que vão dar ao iniciante uma melhor percepção da ocupação de espaço do seu corpo na piscina. 

Um dos exercícios que tenho preferência em passar é o mergulho básico e em deslocamento, que consiste em agachar e saltar dentro da água, ao agachar, você vai ganhando noção de profundidade e da força que precisa para saltar. No agachamento, expira e no salto, ao sair o rosto da água, retoma o ar, inspirando. É o tipo do exercício que dá segurança, por ser relativamente fácil de executar e também por ser um meio de relaxar o corpo geralmente tenso de quem está iniciando.   

2. Respirar é uma necessidade

Muitos iniciantes, e até nadadores com certa experiência, aguardam até o último momento do fôlego para realizar uma nova respiração. 

Isso acontece pela dificuldade que o iniciante tem em executar esse movimento, como foi dito no primeiro item, engolir água também inibe qualquer ato em favor disso. E, vamos combinar, que uma vez o iniciante conseguiu algum deslocamento na água, a última coisa que deve passar em seus pensamentos é a respiração.

Contudo, a cadência da respiração deve ser uma habilidade aprendida nas primeiras aulas. A cadência se dá num sistema de respirar sempre após um determinado tempo, aconteça o que acontecer. A respiração da natação deve estar condicionada a ser parte integrante dela e não mais como um intervalo de descanso ou mesmo de sobrevivência em alguns casos! 

Quanto mais conseguirmos controlar a respiração, menor será o gasto de energia no nado e, consequentemente, maior o tempo que vamos conseguir continuar nadando. 

Para cadenciar a respirar, geralmente "caso" dois ou três fundamentos com a respiração. Por exemplo, a combinação: bater pernas de crawl e respirar frontalmente. Para cadenciar a respiração, peço para que o iniciante conte 6 pernadas com a cabeça submersa. Ao chegar na sexta, ele(a) deve levantar a cabeça para conseguir respirar. 

Pela boca ou pelo nariz? A via da respiração deve ser a melhor possível para você. Gosto de indicar que para expirar (quando está dentro da água) pelo nariz e inspirar (quando está fora da água) pela boca. Assim, o aluno direciona as funções de cada via começa a ter mais controle. 

Uma das coisas que se deve evitar é reter ar antes de inspirar. Normalmente, ao bloquear a respiração imediatamente antes de inspirar, acontece uma expiração natural do ar, que acaba comprometendo a inspiração.

3. A profundidade da piscina é o menos importante

Talvez, uma das 3 perguntas mais realizadas por quem vai ingressar na turma: "a piscina é funda?" E, realmente, a preocupação é coerente. O iniciante está propenso a acreditar que ficará mais tempo em pé do que nadando. Além de contar com a falsa segurança de que uma piscina rasa será mais difícil se afogar, o que não é a realidade.

Aprender a nadar passa pela quebra das duas preocupações: ficar em pé e se afogar. Para um melhor deslocamento na água, devemos nos posicionar na horizontal e isso vai nos deixar mais próximos à superfície do que ao fundo.

O bom desse posicionamento na água é que nos deixa mais próximos do ar, local de onde faremos a respiração, e também nos coloca onde a água é mais "leve", menos densa. Pela pressão ser menor, as forças de resistência para vencer também serão menores e o deslocamento será mais rápido, de uma forma natural e menos cansativa. 

É comum até vermos alunos com mais dificuldade em imergir, afundar mesmo. Então, não se preocupe em bater lá no fundo da piscina. Dificilmente isso vai acontecer. 

Uma aula para aprender a mergulhar será bem vinda, sem perceber você estará conseguindo se virar em todos os níveis da profundidade da piscina, desbloqueando seu pensamento com relação ao assunto.

4. Todo mundo nada mais rápido

Essa é a impressão (quase verdadeira) que todo iniciante tem ao entrar na raia. A sensação é de estar num tanque apinhado de peixes e ele ser a única pessoa não aquática naquela piscina. Enfim, a sensação é de ser uma anomalia. 

Uma das grandes virtudes de quem está iniciando é que a evolução se torna um passo gigantesco, muito maior que todos os outros experientes. Portanto, com um pouco de paciência, você vai considerar as suas evoluções e suas demandas. Pode até ser saudável ver os outros nadarem, mas se deixar levar por comparações desnecessárias acaba sendo um fator de inibição.

Admiro sinceramente o adulto iniciante na natação por a sua incrível capacidade em se desafiar numa habilidade que não se aprende sem muito repetir. Nos dias iniciais, é verdade, você nem sente que está se exercitando, por conta da infinidade de informações que se está criando. Nem se preocupe com isso, quando você menos espera, a atividade irá desenvolver seu corpo como qualquer outro exercício. 

O desafio do iniciante não é nadar rápido. É capturar alguma informação que seja a melhor para dominar o tempo de cada movimento. Normalmente, o aluno consegue identificar rapidamente um fundamento para dominar. Que fique que isso não deve ser uma regra, que você encontra na primeira aula e a decisão desse fundamento acaba sendo surpreendente. 

Por exemplo, a pessoa pode entrar numa piscina e pensar que o seu melhor fundamento é a pernada. Contudo, com algumas aulas realizando braçadas, pode ser identificado o domínio nesse fundamento. Não existe um padrão para as escolhas, o que acontece são as escolhas dos seus fundamentos dominantes.  

5. Cabelos, barbas, unhas... algo acontecerá com isso

Uma descoberta recente minha foi sobre os preços dos produtos para manter os cabelos saudáveis depois da piscina. Confesso que por ser homem isso passou de forma totalmente despercebida na minha experiência. Ao saber disso, penso que as mulheres devem considerar que os cabelos estarão diretamente afetados com o contato na água e o próprio molhar e secar deles podem ter efeitos adversos na textura capilar.

Para isso, existem produtos - com preços nada convidativos - que servirão para amenizar os efeitos adversos. Confesso que não consegui sustentar um argumento que salve a natação da estética do cabelo. De repente, pode ser pensada uma forma de periodizar os treinos de natação numa época do ano e depois "ir atrás do prejuízo" dos cabelos depois.

Suas unhas vão crescer mais rápido. É uma lenda antiga entre nadadores. Pode ser que quem nada repare mais nas unhas por motivos dos treinos. Unhas são quebradas em bordas, nas raias, colidindo com outras mãos e mesmo com os outros na sua raia. É até engraçado, parece que sempre você ou tem que cortá-las ou dar uma ajustada.

As barbas dos homens também podem reter algumas surpresinhas que ainda que esse texto seja sobre coisas não se comenta, não prolongar o tipo de surpresa que ela (a barba) pode trazer, suspeite que não é muito higiênico. Mantê-la sempre feita também pode ter suas adversidades como os arranhões nos ombros durante as braçadas, que podem se tornar tremendas assaduras. 

6. A fome

Por último e não menos importante, a fome. Ao sair da água, procure comer um lanchinho fácil ou você pode acabar comendo tudo que vê literalmente. As teorias para a "fome do nadador" são diversas e vale uma bela postagem no futuro. Para quem está iniciando, fica o alerta de que se em meia hora depois de nadar você não comer, a fome irá dominar todas as suas ações nas próximas duas horas.

Por Breno Leal Lima
@brenoleallima

COMENTÁRIOS