Grupo Cidade
Ceará deverá exigir passaporte de vacinação para entrada de pessoas em estabelecimentos

O assunto será levado para a próxima reunião do Comitê Estadual de Enfrentamento à Pandemia do Coronavírus, que deve ocorrer na próxima sexta-feira, 12

Foto: Divulgação

O Ceará deverá começar a exigir o passaporte de vacinação em estabelecimentos com circulação de pessoas. O passaporte é como um documento que comprova a vacinação e a conclusão do esquema vacinal, seja com duas doses ou com a vacina de dose única. O tema foi assunto de reunião com representantes do Governo e do setor de eventos na Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), no Cambeba.

O assunto já vinha sendo discutido a nível nacional. Em São Paulo, o dispositivo já vem sendo aplicado e solicitado no caso de eventos.

Segundo o secretário do Planejamento e Gestão do Ceará, Flávio Ataliba, o assunto será levado para a próxima reunião do Comitê Estadual de Enfrentamento à Pandemia do Coronavírus, que deve ocorrer na próxima sexta-feira, 12. A proposta é que a comprovação de imunização seja necessária para a circulação de pessoas em ambientes de todos os segmentos da atividade econômica, como academias, buffets, bares, restaurantes e eventos. 

O passaporte estaria disponível por meio de aplicativo, que já está em desenvolvimento pelo Governo do Ceará e também funcionaria como uma forma de organização do acesso das pessoas aos estabelecimentos. 

“Queremos que todas as atividades econômicas, assim como as festividades de fim de ano, sejam retomadas da forma mais segura possível”, indicou o secretário, que também é coordenador do Plano de Retomada das Atividades Econômicas.

Já a secretária-executiva de Vigilância e Regulação da Secretaria da Saúde (Sesa), Ricristhi Gonçalves, reforçou a parceria com o setor de eventos e destacou que o passaporte seria necessário para evitar retrocessos. 

“Não queremos voltar a um cenário desfavorável. Temos em Fortaleza a realidade de uma excelente cobertura vacinal, mas isso não ocorre em alguns municípios menores do Ceará. Nos próximos decretos, vamos olhar para esses municípios. E as festividades de fim de ano estarão atreladas ao percentual de vacinação. Assim, o certificado de vacinação será exigido para todos. Precisamos localizar as pessoas que não foram vacinadas. Elas não podem circular livremente, pois não é seguro para elas e não é seguro para nós”, destacou a secretária. 

No momento, o Ceará vive um dos melhores cenários epidemiológicos desde o começo da pandemia, com 41% das UTIs ocupadas e 14 pacientes no aguardo por transferência para leitos de enfermaria e um para leito de UTI. 

“O fato de o cenário estar seguro neste momento não significa que ele vai permanecer assim. Se a gente relaxa muito nas medidas ou se o município não tem tantas pessoas completamente vacinadas, existe um risco de aumentar a transmissão, as pessoas podem necessitar de internação e a gente corre o risco de registrar novos óbitos", completou Ricristhi.

 

COMENTÁRIOS