Grupo Cidade
Pfizer e BioNTech atestam segurança da vacina contra Covid-19 para crianças entre 5 e 11 anos

Segundo o comunicado enviado para a imprensa, a vacina gerou uma resposta imune em ensaio clínico das fases 2 e 3

Foto: Folhapress

Os laboratórios Pfizer e BioNTech anunciaram nesta segunda-feira, 20, que a vacina contra a Covid-19 produzida pelas empresas é segura e induz resposta imune “robusta” em crianças entre 5 e 11 anos. Os dados são preliminares e ainda precisam passar pela avaliação de cientistas para a validação e poderão ser confirmados após a publicação em revista científica.  

Segundo o comunicado enviado para a imprensa, a vacina gerou uma resposta imune em ensaio clínico das fases 2 e 3. A pesquisa contou com a participação de 4,5 mil bebês e crianças de 6 meses a 11 anos. Os participantes foram dos Estados Unidos, Finlândia, Polônia e Espanha.

As crianças receberam uma dose menor da vacina, com duas doses com 10 µg (microgramas) aplicadas em um intervalo de 21 dias entre elas. Em pessoas a partir dos 12 anos, a dose é de 30 µg.

"Desde julho, casos pediátricos de Covid-19 aumentaram cerca de 240% nos Estados Unidos, destacando a necessidade de saúde pública de vacinação", disse o presidente executivo da Pfizer, Albert Bourla, em comunicado à imprensa.

No Brasil, a vacina é a única autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a vacinação de adolescentes entre 12 e 18 anos. Entretanto, na semana passada, o Ministério da Saúde recomendou a suspensão da aplicação do imunizante nesse público após a morte de uma jovem no interior de São Paulo. Ainda em investigação, o falecimento não foi conectado pela Anvisa com a aplicação do imunizante até o momento. 

Leia também | Governo de SP rebate Queiroga e diz que morte de jovem não justifica paralisar vacinação

A determinação não foi bem recebida por diversas estados, que retomaram a imunização do público ainda no fim de semana. No Ceará, a Secretaria da Saúde (Sesa) publicou um anúncio de que não iria interromper a vacinação. Outras capitais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, São Luís e Belém, retomaram a aplicação ou nem chegaram a interrompê-la.

 

 

COMENTÁRIOS