Empresário e atleta, Vitor Girão marca quarta geração da empresa Casas Girão

Atleta, o empresário conversou com a Frisson e contou um pouco de seus objetivos, perspectivas e de sua história


Foto: Reprodução

Quarta geração em uma empresa familiar, Vitor Girão assume hoje a direção de marketing das Casas Girão, loja tradicional de Fortaleza, e carrega consigo aprendizados oriundos da família, da faculdade de Administração e da situação atual. Atleta, o empresário  conversou com a Frisson e contou um pouco de seus objetivos, perspectivas e de sua história.

Confira: 

Frisson: Vitor, como você se direcionou à administração? Pode contar sua trajetória no ramo? 

Vitor Girão: Trabalho na empresa desde a infância. Desde criança, meus pais (Ricardo e Claudia) sempre nos levavam, eu e minha irmã, para trabalhar na época de dezembro para ajudar, dando apoio nas lojas. Aos poucos, fui vendo que realmente gostava daquele trabalho e que me identificava com toda aquela movimentação. Quando pensei em uma faculdade, não tinha como não ser a Administração para assim dar continuidade nos negócios da família.  

Frisson: Quais aspectos da profissão e da graduação mais lhe chamaram atenção?

Vitor Girão: A graduação ajudou a entender processos e melhorar outros. Com a vivência na empresa, executamos muitas atividades e processos que às vezes acabam sendo explicados nos livros e exemplos passados pelos professores.

Frisson: Como é poder gerenciar uma empresa familiar? Que outros membros de sua família fazem parte e como é o dia a dia na empresa? 

Vitor Girão: Gerenciar uma  empresa familiar é motivo de muito orgulho, por toda a história da família no comércio e poder trabalhar ao lado de quem você ama sempre é bem motivador. Sou a quarta geração ao lado da minha irmã na gestão da empresa. 

Começou com meu bisavô Benjamin Carneiro Girão; Em seguida veio meu avô, Aroldo Rocha Girão, depois meu pai Ricardo e meu tio Jorge. Nó (eu e a Bruna, minha irmã) estamos seguindos os passo e diariamente aprendendo como se comporta o comércio e as melhores estratégias para a empresa. Como meu bisavô que fundou a loja já faleceu, coloquei o nome do meu filho em homenagem a ele.

Frisson: Você é a quarta geração da família na empresa. Como você observa as mudanças a partir dessas gerações? 

Vitor Girão: As mudanças vêm principalmente na comunicação e no posicionamento de marketing da empresa. Com o passar dos anos vamos nos moldando ao comércio. Como as mudanças acontecem diariamente, principalmente agora pós pandemia, nos vemos obrigados a sempre estar inovando, buscando novas tecnologias, nos atualizar mas, é claro, sem perder características essenciais da empresa.


Vitor Girão, Ricardo Girão, Aroldo Girão e Benjamin Girão. Foto: Acervo Pessoal

Frisson: Sobre a Casas Girão, qual a história da empresa? 

Vitor Girão: Saindo de Morada Nova, interior do Ceará, para a capital Fortaleza em 1940, Benjamin Carneiro Girão fundou a primeira Casas Girão inicialmente na avenida Visconde do Rio Branco. Em 1964 foi então feita a primeira ratificação no contrato social da empresa para Benjamin Girão e Filhos, razão social que permanece até hoje. Somos uma empresa conhecida no mercado por vender confecção, modas masculina, feminina e infantil. Expandimos para cama e mesa e hoje também já somos fortes conhecidos no setor do bordado.

Frisson: Como é o ramo do empresariado no Ceará? O Estado está alinhado às inovações? 

Vitor Girão: Nosso estado tem crescido bastante, temos um povo trabalhador e aguerrido acho que nos próximos anos nossa economia sairá de 5ª para a 4ª posição no País. 

Noto que neste ano o empresariado tem se unido ainda mais principalmente pelo fato de estarmos sofrendo com a pandemia. Com isso o network está maior, em um sentimento de um ajudar o outro    

Frisson: Em relação à pandemia, de que forma a Casas Girão conseguiu se manter? 

Vitor Girão: Com a Pandemia , intensificamos nosso trabalho nas mídias sociais e criamos um canal de atendimento via whatsapp para realizar delivery, tirar dúvida, fortalecer o laço com nossos clientes

Frisson: Além do empresariado, o senhor também tem uma vida no triathlon. Como e quando começou a modalidade?

Vitor Girão: Comecei em 2004 por convite de um tio (Gilberto Dias) que estava experimentando esse novo esporte. Antes disso, havia praticado artes marciais por sete anos. Fui para minha primeira prova de triathlon sem nunca nem ter treinado nada específico. Na minha cabeça seria algo simples, o que não foi. Vou encurtar um pouco a história. Fiz a prova, conclui e nunca mais larguei. Foi amor à primeira vista.

No triathlon conheci minha esposa e grandes amigos que são uma extensão da minha família.

Natalia Falcão, Vitor Girão e filhos Benjamin, 5, e Maria, 4. Foto: Acervo Pessoal

Frisson: O que mais te atraiu no esporte? 

Vitor Girão: Para ser sincero, não sei. No início, talvez o fato de ser um esporte simples que só depende de mim. Hoje, eu e minha esposa (Natalia Falcão) levamos o Triathlon como um estilo de vida. Ensinamos nossos filhos Benjamin e Maria que o esporte é legal, muito melhor que ficar em casa na televisão ou no tablet, e que com isso podemos conhecer o mundo passeando competindo e, o melhor de tudo, se divertindo.

Frisson: Quais são as projeções para o futuro? Tanto no empresariado quanto em outros aspectos de sua vida? 

Vitor Girão: Na empresa, esperamos nos próximos anos expandir nossas lojas para mais três cidades do interior. No esporte voltar a França para competir em Nice e, quem sabe, nos próximos cinco anos, tentar a vaga para Ironman do Hawaii.

COMENTÁRIOS