Grupo Cidade
Cinema do Dragão anuncia professora e pesquisadora Kênia Freitas como nova curadora

Curadora, pesquisadora e professora de cinema, Kênia é doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ e possui pesquisas na área do Afrofuturismo e do Cinema Negro

Foto: Luiz ALves/Divulgação

O Cinema do Dragão anunciou a professora, pesquisadora e crítica de cinema capixaba Kênia Freitas como nova curadora do equipamento. Ela assume o lugar que antes estava ocupado pelo programador Pedro Azevedo, que esteve à frente do Cinema do Dragão durante quase nove anos. O foi anunciado após um processo seletivo, que incluiu análise dos currículos e cartas de intenção, além de uma entrevista.

O cargo tem entre suas atribuições a escolha do conteúdo e dos filmes que irão integrar a grade do Cinema do Dragão. Em nota enviada para a imprensa, Kênia indicou que propõe dar continuidade para que o Cinema do Dragão siga sendo um local de referência, destacando a sala exibidora de circuitos de arte independentes e formativos. 

“Todo esse processo que já vinha sendo desenvolvido será preservado, ao mesmo tempo em que a ideia é explorar possibilidades de ampliação e de caminhos que podem se abrir em virtude de outras trajetórias pessoais minhas, como o cinema negro e o cinema de mulheres, que já integravam a programação, mas que talvez a minha trajetória acadêmica nessa área possa ajudar a ampliar", destacou a pesquisadora, indicando que a proposta é também estar próxima aos distribuidores e produtores locais. 

Curadora, pesquisadora e professora de cinema, Kênia é doutora em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e possui pesquisas na área do Afrofuturismo e do Cinema Negro. Ela também publica críticas de cinema no site Multiplot! e integra o Forúm Itinerante de Cinema Negro - FICINE. 

Como curadora, tem experiências em diversas mostras e festivais, como "Cines Afro-Femininos: Reimaginando Mundos" (6ª Muestra Afro/Cinemateca de Bogotá/Colômbia)  e "Mostra Afrofuturismo" (Centro Cultural São Paulo).

A comissão que escolheu pela professora foi formada pela diretora de formação e criação do IDM e da Escola Porto Iracema das Artes Bete Jaguaribe; a superintendente do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura Natasha Faria; e o então curador do Cinema do Dragão, Pedro Azevedo Moreira.

 

COMENTÁRIOS