Grupo Cidade
Cid Gomes (PDT) freta avião de R$ 54 mil para viagem a Salvador e é ressarcido pelo Senado

Em vez de utilizar o voo comercial, o parlamentar fretou uma aeronave da Latam, que custou aos cofres públicos um valor mais caro do que toda a locomoção do senador em 2020

Atualizada às 10h41min

Foto: Divulgação Senado

O senador Cid Gomes (PDT) foi reembolsado pelos R$ 54.552 gastos com um avião fretado em março deste ano para uma viagem a Salvador, saindo de Fortaleza. Em vez de utilizar o voo comercial, o parlamentar fretou uma aeronave da Latam, que custou aos cofres públicos um valor mais caro do que toda a locomoção do senador em 2020 e 2019. 

Segundo documento emitido pela “TAM - Aviação Executiva”, o avião foi usado para a ida e volta do senador da capital baiana. As informações, bem como a nota da Latam, podem ser acessadas no site de transparência do Senado, na sessão “Locomoção, hospedagem, alimentação e combustíveis”. As informações iniciais são do site R7. 

Segundo a nota, a viagem ocorreu no dia 16 de março. A solicitação de reembolso foi apresentada no mesmo mês e foi aceita inteiramente. Sobre as informações de prestação de serviço, a nota indica apenas “transporte de pessoas”, sem detalhar quem mais estava no avião. 

Não há detalhes também sobre o motivo da viagem do senador. Segundo a agenda do Senado, não havia nenhuma atividade oficial do plenário em Salvador e a agenda do parlamentar não está disponível no site. 

Voos de última hora para o trecho indicado, comprados de última hora, alcançam valores de entre R$ 2,5 mil e R$ 4 mil. Os preços são das companhias Latam, Gol e Azul. Já voos comprados com um mês de antecedência alcançam valores entre R$ 1 mil e R$ 2,8 mil. 

Foto: Reprodução Senado 

Polêmica com voos fretados

Não é a primeira vez que o senador chama atenção devido a valores de voos fretados. Segundo o portal R7, quando era governador do Ceará, em 2008, Cid Gomes fretou uma aeronave para uma viagem oficial de 10 dias à Europa. No voo, estavam com ele a esposa e a sogra, além de um secretário de Estado e um assessor, ambos com suas esposas. A viagem passou pela Espanha, Escócia, Irlanda, Alemanha e por Londres e o voo custou cerca de R$ 388 mil aos cofres públicos. 

O então governador indicou que a viagem foi para a participação em eventos sobre turismo e fruticultura . Cid também pediu desculpas e indicou que “não houve nenhum custo ou despesa extra para o Estado. O voo é cobrado por quilômetro e não pelo número de passageiros”.

A Frisson entrou em contato com o e-mail de gabinete de Cid indicado no site do Senado para conseguir mais detalhes ou um posicionamento e aguarda resposta.

Resposta do Senado

Ao site Frisson, o Senado indicou que a Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar dos Senadores estão previstas "conforme a apresentação dos comprovantes pelos gabinetes parlamentares e estão previstas no Ato do Primeiro-Secretário (APS) nº 5, de 2014, Arts. 5º e 3º".

COMENTÁRIOS