Grupo Cidade
No primeiro fim de semana sem lockdown, Ceará tem 422 pessoas de 109 cidades à espera de leitos

A maior concentração de espera era em Fortaleza, onde 73 pessoas aguardavam por leitos

Foto: Divulgação

Na sexta-feira antes do primeiro fim de semana sem lockdown desde março, o Ceará possuía 422 pessoas de 109 cidades à espera da transferência para leitos de Covid-19. Destes, 253 eram pacientes aguardando transferência para Unidades de Terapia Intensiva (UTI), destinada a casos mais graves da doença, e 169, para leitos de enfermaria. 

A maior concentração de espera era em Fortaleza, onde 73 pessoas aguardavam por leitos. Os dados são da plataforma IntegraSUS, da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), da manhã desta sexta-feira, 7. 

Com 89,03% dos leitos de UTI e 72,68% das enfermarias ocupadas, o Ceará é o estado do Nordeste com a maior incidência por cada 100 mil habitantes, segundo o Painel do Coronavírus, do Ministério da Saúde. O Ceará também era o estado com a maior mortalidade por 100 mil habitantes. 

Apesar da redução de casos, a taxa de ocupação nas UTIs tem permanecido com valores principalmente acima de 90% desde o fim de 2020. 

Segundo o pediatra Dr. Robério Leite, professor adjunto de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFC e coordenador do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade Cearense de Pediatria, o aumento da complexidade dos casos é um dos motivos que têm mantido as taxas altas. “Uma explicação seria o fato de que o tempo de permanência de pacientes nas UTIs é longo, dada a complexidade desses casos. Então, o efeito na redução de casos nas taxas de ocupação em UTIs e hospitalização é mais lento”, explica. 

Apenas duas cidades dos 184 municípios cearenses não estavam com risco "altíssimo" no Painel de Alerta da Covid-19. Quixelô e Salitre estavam com risco “alto”.

Vacinação

Até a manhã desta sexta, o Ceará já havia aplicado 2.141.348 vacinas contra o novo coronavírus, sendo 1.392.260 na primeira dose e 749.088 na segunda. Atualmente, diversos municípios do Estado já estão iniciando a terceira fase da vacinação, que irá contemplar pessoas com comorbidade - como diabetes, obesidade, transplantados etc - e  pessoas com deficiência permanente.

Apesar dos números, as aplicações da primeira dose representam 36,58% da meta do grupo prioritário, que deve ser de 3.805.883 pessoas, segundo a Sesa. As aplicações ainda representam apenas 15,15% do total da população cearense, estimada pelo IBGE em 9.187.103 pessoas em 2020. A campanha de vacinação iniciou no último 18 de janeiro após a chegada dos primieiros imunizantes ao Estado.

 

COMENTÁRIOS