Grupo Cidade
Setor de serviços no Ceará cresce 1% em julho e cresce pelo sexta mês seguido, diz pesquisa do IBGE

Quando divididos por atividades, percebe-se que o setor foi principalmente puxado pelos serviços prestados às famílias (92,7%)

Foto: Divulgação

O Ceará apresentou um crescimento de 1% no setor de serviços em julho, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços, feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgada nesta terça-feira, 14. Este é o sexto resultado positivo seguido do Estado, que vem crescendo desde fevereiro. 

Apesar do crescimento, o Estado ainda ficou abaixo da média nacional, de 1,1%. Em relação aos outros estados do Nordeste, o Ceará ficou em 5º lugar, atrás do Alagoas (5,4%), Penambuco (4,1%), Piauí (2,9%) e Sergipe (1,1%). Atrás do Estado, estão ainda Paraíba (0,8%), Marranhã (0,1%), Bahia (-0,7%) e Rio Grande do Norte (-1%).

Comaprando o resultado com julho de 2020, o volume de serviços avançou 22,9%, quarta taxa positiva consecutiva. Entertanto, apesar dos níveis positivos, na variação acumulada dos últimos 12 meses, o Ceará apresentou uma queda de -1,3%.

Quando divididos por atividades, percebe-se que o setor foi principalmente puxado pelos serviços prestados às famílias (92,7%) e pelo setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correios (48,5%). Os serviços de informação e comunicação  apresentaram crescimento de 5,1%, enquanto as atividades de serviços profissionais, administrativos e complementares registraram queda de -1,1%. Já a categoria de outros serviços, que incluem as demais atividades do setor, cresceu 30%. 

Turismo

Em relação a serviços, a variação de julho foi de 4,7%. Já  avariação mensal em relação a julho de 2020, o crescimento foi de 96,5%. No mesmo mês no ano passado, o Ceará lidava com a primeira onda do novo coronavírus e se preparava para a retomada, de forma qu o setor ainda estava quase todo fechado. 

Da mesma forma que os serviços em geral, o o turismo, na variação acumulada dos últimos 12 meses, apresentou um declínio de 16,3%.

 

COMENTÁRIOS