Grupo Cidade
Secretários Estaduais de Saúde pedem por fechamento de bares, barreiras sanitárias e outras medidas

Por fim, a carta solicita que seja estabelecido por governadores e prefeitos um “Pacto Nacional pela Vida” que possa reunir os poderes por meio do Congresso Nacional

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

As Secretarias de Saúde dos estados brasileiros, por meio do Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass), publicou uma “carta à nação brasileira” nesta segunda-feira, 1º, indicando a situação do novo coronavírus e pedindo por medidas mais rígidas contra a transmissão da doença. 

Assinada pelo presidente do Conselho, Carlos Lula, a carta faz uma crítica pela “ausência de uma condução nacional unificada e coerente” que “dificultou a adoção e implementação de medidas qualificadas para reduzir as interações sociais que se intensificaram no período eleitoral, nos encontros e festividades de final de ano, do veraneio e do carnaval”. Ainda, com o relaxamento das medidas e com o surgimento das novas cepas, a situação se tornou uma crise tanto sanitária quanto social, com a suspensão do auxílio emergencial. 

"O recrudescimento da epidemia em diversos estados leva ao colapso de suas redes assistenciais públicas e privadas e ao risco iminente de se propagar a todas as regiões do Brasil. Infelizmente, a baixa cobertura vacinal e a lentidão na oferta de vacinas ainda não permitem que esse quadro possa ser revertido em curto prazo", diz o documento. 

Dessa forma, o Conselho solicita medidas mais rígidas para o controle da doença, como restrições de nível máximo para estados com mais de 85% dos leitos ocupados - caso onde o Ceará se encontra -, toque de recolher nacional entre 20h e 6 horas, fechamento de praias e bares, e o fechamento de aeroportos. 

Os secretários ainda solicitam o reconhecimento legal de emergência sanitária, de forma a viabilizar os recursos dos Fundos Estaduais e Municipais de Saúde para o SUS, o retorno do auxílio emergencial e a implementação de um plano de comunicação para reforçar as medidas sanitárias. Ainda, a carta solicita as aprovações legislativas e contratuais para a compra de todas as vacinas eficazes e seguras no mercado mundial. 

Por fim, a carta solicita que seja estabelecido por governadores e prefeitos um “Pacto Nacional pela Vida”, “que reúna todos os poderes, a sociedade civil, representantes da indústria e do comércio, das grandes instituições religiosas e acadêmicas do País, mediante explícita autorização e determinação legislativa do Congresso Nacional”. 

Situação do Ceará

O Ceará iniciou março com 179 dos 184 municípios com risco "alto" ou "altíssimo" do novo coronavírus. O nível é o maior desde a criação do Painel Alerta da Covid, pela Secretaria de Saúde, em dezembro de 2020. O Estado também estava com 91,94% dos leitos ocupados, mesmo com a criação de novos leitos. A porcentagem que vem preocupando as autoridades de saúde, visto que, em outubro de 2020, o número estava estável em 60%. 

O secretário de Saúde do Estado, Dr. Cabeto, confirmou que há 240 casos suspeitos da nova variante do coronavírus, chamada de cepa de Manaus, sendo 16 “praticamente confirmados”. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 1º, em vídeo enviado para a imprensa. Nele, o secretário também indicava que já havia indícios de que há uma transmissão comunitária da cepa - quando já há confirmação de casos sem a possibilidade de rastrear a infecção.

 

COMENTÁRIOS